O Vento

?????????????????????????????

Michel não tinha nada de mais além de um isqueiro e o último cigarro daquele dia da semana. Não tinha mais casa, nem carro, tampouco roupas ou sequer sapatos, os quais teve que vender junto com sua esperança. Vagava pela rua como um fantasma que podia ser visto, mas não sentido. Através das ruas imundas do centro urbano, ele lembrava de sua gaita e de sua doce voz, bem como das vezes que chegou a apresentar-se frente a uma centena de pessoas, que alimentavam seu sonho de ser um cantor famoso, e expressar para o mundo tudo aquilo que gostaria de dizer com suas melodias e letras. Murmurou algo por entre a espessa barba: “Dá aqui isso aí”, e o outro mendigo alcançou-lhe o pequeno cachimbo.

Sentou-se com o corpo para o lado, enquanto baforava, observando aquela fumaça, que dançava como as nuvens, onde podia enxergar um anel, um coelho, uma bola, que se esvaiam com o vento, por entre as folhas das poucas árvores que cresciam nos espaços das calçadas. Uma destas pequenas folhas desgarrou-se de seu galho, e caiu em frente ao rapaz, que, em sua alteração mental, soltou uma risada. Pegou a folha, encostou à boca, como fazia com sua gaita, e soprou. E, apesar de não exalar nenhuma fumaça no ar, as notas musicais saíram por entre o vento, como um sonho que nunca se esvai.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s